quinta-feira, 18 de abril de 2013

Você se acha bem informado sobre a sua cidade, seu país, sobre a Terra?

Nas últimas semanas as notícias têm andado "enguiçadas", uma forma do Tutty Vasquez classificar as informações que ganham espaço todos os dias nos noticiários e...

São as notícias que com ou sem as quais é tal e qual...

Embora quando elas surgem parecem que vão ter importantes desdobramentos.

O problema fica muito evidente quando você se surpreende muito irritado ao encontrá-las todos os dias em novas versões atualizadas e inúteis nas mesmas páginas.

A certeza de que não estou (não estamos) bem informado(s) me assalta. E me desastibiliza.

Todos os dias ao conversar com as pessoas, parentes, amigos, colegas a gente acaba por dar opiniões sobre os fatos que nos cercam e nos envolvem.

Fatos ou ficções?

Quando leio um grande jornal não posso deixar de elogiar as pessoas que todos os dias são capazes de produzi-los. Já estive em redações de jornais há muito tempo, e sei como nos sentimos realizados em resolver o problema da edição diária coerente com a edição dos dias anteriores e compromissada com as próximas edições.

Nós somos os arautos da verdade, heralds como os de língua inglesa por vezes chamam os seus jornais.

No entanto o passar dos anos, e dos últimos anos mais ainda, prova como deixamos de dizer coisas importantíssimas em torno das notícias.

80% do que lemos, vemos ou ouvimos no noticiário não é verdade. Ou não é toda a verdade.

É preciso ler o que está nas notícias e principalmente o o que não está em cada notícia.

E o que não está na notícia é a notícia que devia nos preocupar.

O Almanaque vai voltar ao tema .



Você sabe do que acontece através dos olhos de milhares de intérpretes da realidade. Mas, olhe para esta figura e constate que mesmo o que você tem a certeza de estar vendo não é o que você está vendo.

Um comentário:

Pio Borges da Cunha disse...

Esta confusão nos EUA para identificar quem são os responsáveis pelas bombas em Boston é uma evidência da desinformação compartilhada. As armas de destruição em massa do idiota do Sadam só tiveram aceitação mundial por falta de informação que deveria ser apurada pela imprensa como um todo.
A necessidade de ler o que não está escrito na notícia vai voltar ao Almanaque.